Pages

Subscribe:

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Bandinha Rítmica





BANDINHA RÍTMICA


A Bandinha Rítmica enviada pelo MEC faz parte do Programa de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais. É formada por 20 instrumentos confeccionados em diversas cores, sendo: Agogô pequeno duplo infantil, Black Black, Campanela com Guizos, Castanholas, Chocalho Pequeno infantil, Clave de rumba, Conguê de coco, Flauta doce, Ganzé mirim simples, Ovinho, Dois pandeiros, Platinela, um par de pratos, Reco-reco infantil, Sininho infantil, Surdo gigante infantil, Surdo mor infantil, Triângulo infantil 15 e 20 cm.

INTRODUÇÃO
A música é naturalmente um elemento de encanto e motivação para as crianças e os instrumentos são ricos em fontes de criatividade e expressão. A Bandinha formada pelo conjunto de percussão vem ampliar as possibilidades de exploração musical desde os primeiros ritmos até pautas de outras áreas do programa escolar da criança, como sugerem as atividades abaixo. Os instrumentos deverão ser oferecidos às crianças e explorados livremente no inicio. Na sequência o professor poderá introduzir regras e promover socialização e disciplina com o uso criativo do material.

ATIVIDADES SUGERIDAS

1. EXPLORAÇÃO E RECONHECIMENTO
O professor oferece os instrumentos para o grupo e coordena a distribuição dos mesmos de modo que todos explorem todos os materiais. Depois, o professor indaga às crianças o nome dos instrumentos que elas conhecem, apresentam aqueles que elas não conhecem e a melhor forma de manuseio de cada um para obter um som harmonioso.

2. PERCEBENDO OS RITMOS
O professor escolhe um instrumento e demonstra para as crianças a variedade de ritmos que podem ser tocados com o mesmo. O professor pode utilizar músicas infantis conhecidas das crianças, classificando inicialmente a velocidade (se é lenta ou rápida), se parece um samba ou uma valsa. Depois o professor deve oferecer os instrumentos para que as crianças escolham uma música e tentem acompanhar.

3. BRINCANDO DE SONOPLASTA
O professor conta uma história que possa ser representada com som, de acordo com os acontecimentos, apontando qual criança deverá fazer o papel sonoplasta. EX: Um menino vinha andando devagar (som de passos com o pandeiro), de repente ouviu um cavalo se aproximando (batidas com tambor)

4. MAESTRO
As crianças se organizarão em fileiras, como uma pequena orquestra, e uma delas ficará a frente como um maestro. A “orquestra” deverá tocar os instrumentos de acordo com os movimentos que o maestro fizer, englobando batidas rápidas, lentas, compassadas, fracas, fortes, pausas etc. Todas as crianças deverão ter a oportunidade de brincar de maestro e tocar vários instrumentos. O professor deverá orientar o grupo quanto à organização e disciplina da orquestra.

5. RECONHECENDO O SOM DOS INSTRUMENTOS
O professor gravará o som dos instrumentos, com uma breve pausa entre um som e outro. As crianças ouvirão o som e, utilizando o instrumento, imitarão a gravação, reconhecendo qual o instrumento tocado. Poderão ainda variar a atividade desenhando a sequência dos materiais apresentados.

6. OUVINDO A DIVISÃO SILÁBICA
As crianças sentadas em círculo, com os instrumentos no centro à sua disposição. O professor prepara cartões com várias palavras e demonstra a divisão silábica de uma palavra batendo ou tocando o número de sílabas com um instrumento. Cada vez que o professor mostra um cartão com uma palavra, a criança que souber poderá pegar um instrumento, tocar e falar a palavra, simultaneamente, dividindo sílabas.

7. DESCOBRINDO A SÍLABA TÔNICA
Da mesma forma que a atividade anterior, mas dessa vez as crianças deverão tocar forte quando a sílaba for tônica e tocar fraco quando não.

8. GINCANA DE ADIVINHAÇÃO E IMITAÇÃO
As crianças são divididas em dois grupos e cada grupo recebe metade dos instrumentos da bandinha escondidos numa caixa. Escolhendo um instrumento irão representar dois representantes do grupo, um deles será o tocador e o outro o instrumento, simularão para o outro grupo tocar e o som que faz para que o grupo descubra qual o instrumento. Depois as duas crianças apresentam o instrumento real e comparam seu som. Marca ponto a equipe que acertar mais.

9. SOMA DE BATIDAS
O professor toca vários instrumentos numa sequência, com pausas, e vai contando junto com as crianças. Depois as crianças contarão sozinhas, anotando individualmente e somando as batidas de cada instrumento. EX: Quatro vezes o pandeiro, três vezes o tambor, duas vezes o caxixi etc. A seguir as crianças revelarão o resultado da soma e o professor repetirá a sequência.

10. BANDINHA COM PARTITURA COLORIDA
O professor determina uma cor diferente para cada instrumento e cola um papel ou durex colorido sinalizando cada um. Organizando uma partitura de cores, em que cada cor signifique uma batida, o professor apresentará às crianças que estarão com os instrumentos. Cada linha deve estar bem separada da outra. Quando dois ou mais instrumentos forem tocados juntos, as cores deverão estar uma embaixo da outra. De inicio, as crianças deverão treinar com uma partitura somente para apreciar a harmonia da sequência e depois o professor poderá, utilizando as cores, transcrever uma música infantil curta que as crianças já conheçam.

11. BATENDO AS HORAS
O professor escolhe uma música infantil que fale das horas e decide a hora que o relógio vai bater. As crianças sentadas em círculo, tocam os instrumentos cada vez que uma hora for completada. Quando chegar na hora que o professor escolheu, a criança que estiver tocando aquela hora levanta e informa que horas são. Com a troca das horas, os instrumentos poderão circular. Para variar a brincadeira, o professor poderá distribuir instrumentos que representam os minutos, que tocarão mais suavemente e na sequência de cada hora.

12. CONFECÇÃO DE UM LIVRO
O professor dará à criança a tarefa individual de confeccionar um pequeno livro com partituras de cores, com a utilização de duas cores para dois instrumentos. Após a colagem das cores e a confecção da capa do livro, contendo autor e nome da música inventada pelas crianças, cada uma mostrará imitando oralmente os sons que planejou na sua partitura. No decorrer das aulas, as crianças poderão ensaiar e apresentar as músicas.

13. ORIGEM DO SOM E LATERALIDADE
O professor organiza as crianças sentadas, ou em uma de cada vez. O professor fica atrás das crianças, toca um instrumento, e as crianças deverão dizer a direção de onde o som está vindo. O professor poderá escolher uma criança de cada vez, e depois o grupo todo junto. As crianças deverão responder: esquerda, direita ou meio.

14. LOCALIZAÇÃO E CONCEITOS ESPACIAIS
Utilizando uma venda nos olhos das crianças, ou em uma de cada vez, o professor se posicionará na frente da criança ou do grupo e tocará um instrumento nas diversas posições: em cima, embaixo, perto, longe, atrás, na frente, para que a criança localiza a origem do som. A intensidade deve ser mantida nas diferentes posições.

15. FANFARRA
O professor organizará e treinará o grupo para uma apresentação na escola com instrumentos da Bandinha Rítmica, seguindo a organização de uma fanfarra. Poderão ser utilizadas as partituras das cores.









quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

A Voz do Coração


Ao ouvir a música “A Voz do Coração”, entendi que...
Na inclusão é assim
Podemos ver além do que
Nossos olhos podem enxergar
Além do que imagens possam mostrar
Ouvimos o coração
Ouvimos através das mãos
Somos iguais nas diferenças
E isso nos torna especiais
Deixem a voz do coração
Ecoar pela terra
O grito de respeito à diversidade.

Descrição da atividade

Foi utilizada a música como técnica expressiva, com trechos da canção A Voz do Coração, através da atividade plástica de colagem com papel em fundo preto.


sexta-feira, 21 de dezembro de 2012


Esse vídeo é um registro pessoal de atendimento a pessoas com deficiência e com necessidades educacionais especiais

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Sugestão de atividades

No livro "Minha Escola Recebeu Alunos Para a Inclusão. Que Faço Agora?", Peçanha diz que: ...Bachelard alerta-nos para aqueles momentos em que queremos encontrar receitas prontas, modelos previamente testados e com total garantia de serem aplicados e, ainda , que garantam resultados positivos. Isso, logicamente, em se tratando de educação inclusiva está longe de acontecer, afinal, é a diferença a base dessa nossa ação". (Peçanha, 2011 p.34).
Eu acrescentaria que na educação como um todo, não existe receita pronta, mas existem sugestões que deram certo. Assim disponibilizo algumas abaixo.


Atividade raciocínio lógico-matemático

Jogo da Adição

Objetivo: relacionar quantidade de objetos concretos aos numerais
Materiais: prancha de papelão; tesoura;plástico; adesivo transparente; plástico adesivo colorido, fita adesiva colorida; fichas com números; cola de silicone; garrafa pet e tampinhas; velcro.

Como fazer: forrar a prancha de papelão; colar os fundos de garrafa pet; fixar os pedaços de velcro onde serão fixados os números móveis; os números são feitos de cartolina e coberto com papel contact e velcro.

Como aplicar: a professora deve dividir a turma em grupos. Cada grupo deverá receber uma prancha ( como os números são móveis pode ser explorado diversas operações). Em seguida, a professora lançará o desafio matemático e cada grupo deverá achar a solução utilizando o material concreto (tampinhas de garrafa).























Atividade de Linguagem

Seu Lobato Tinha Um Sítio

Objetivo: Linguagem oral e ritmo
Materiais: papel colorido; tesoura
Como fazer: montar dobraduras dos animais que aparecem na música
Como aplicar: A professora deverá apresentar a música  a turma, explorando os animais que nela aparece. Depois de conhecê-los, cada aluno ficará responsável por um animal, sendo necessário fazer a construção de sua dobradura. após confeccionados, em roda, a professora inicia a música e cada aluno deverá levantar a sua dobradura, quando for a vez de citar o seu animal, e nesse momento apenas ele cantará.























Atividade de Alfabetização

Prancha das Frutas

Objetivo: trabalhar leitura e escrita, relacionando-os sempre às imagens, contribuindo para uma melhor compreensão das palavras
Materiais: papelão; papel ofício; imagens e o nome das imagens cortadas em retângulos no papel; imã e fita adesiva colorida.
Como fazer: forrar o papelão com papel contact. dividir em 4 colunas por 5 linhas com fita adesiva colorida.
Como aplicar: A professora pode diversificar tanto as imagens como as escritas, a partir de temas trabalhados e do contexto do aluno. As imagens ficam afixadas na prancha, o aluno deverá identificar entre as fichas das escritas o nome que corresponde ao da imagem e colocar no lugar correto.























Atividade Temática
Mural de Direitos e Deveres

Objetivo: Que os alunos tenham conhecimento dos seus direitos e deveres

Materiais: Papel metro; imagens impressas e coloridas, cola; hidrocor; lápis de cor; tesoura e folhas de ofício
Como fazer: O papel metro deve ser colocado em uma parede e cada aluno se dirige até o mural e cola sua ficha
Como aplicar: A partir dos conhecimentos previamente trabalhados em sala, a professora e os alunos irão listar os direitos e deveres de uma criança, escrevendo em um mural, separando uma coluna para os direitos e uma para os deveres. Após o levantamento, serão disponibilizadas fichas que ilustram os direitos e deveres. Cada aluno deverá escolher um e colar no mural no lugar correto. Depois da aplicação no mural, que deverá ser exposto na sala de aula, a criança deverá ilustrar o desenho em folha de ofício.























Jogos
Cata Bolas
Objetivo: trabalhar a socialização e coordenação motora

Materiais: embalagem plástica de amaciante; tesoura; jornal; papel contact; fita crepe;

Como fazer: recortar a parte de cima da embalagem e forrar com papel contact, fazer bolas de jornal amassado e reforçado com fita crepe

Como aplicar: essa atividade dese ser conduzida em um ambiente aberto e espaçoso. A professora deverá dividir a turma em duplas, um será o arremessador, que vai lançar a bola de jornal, e o outro vai tentar pegar as bolas com a embalagem. Em caso de cadeirante, a embalagem de pegar as bolas pode ser encaixada na cadeira de rodas ou entre as pernas, sendo necessário ajuda de um colega, para conduzir a cadeira de rodas até a bola.

Linguagem


Brincadeira com Sílabas

Objetivos: Montar as palavras de acordo com as figuras geométricas.

Desenvolvimento: Montar palavras e nomes de acordo com a forma geométrica proposta pelo professor

Possibilidade de exploração: Coordenação motora; ampliação de vocabulário; reconhecimento de sílabas e cores; sequência e criatividade

Sugestões de palavras: Boneca, dado, macaco, fogo, salada, jacaré, sapo, mapa, tomate...
Modelos de figuras: 8 círculos, 8 quadrados e 8 triângulos
















Coordenação Motora

Barquinho Letrado

Material: barquinho confeccionado pelo aluno com ajuda do professor de papel

Desenvolvimento: Todos os alunos em círculo. Um aluno com o barquinho confeccionado inicia a brincadeira dizendo: Lá vai o barquinho com a letra B. A criança que recebe o barquinho fala uma palavra que inicia com a letra B. Os alunos não podem repetir palavras faladas. Todos devem participar da brincadeira.

Proposta de atividade: Pode-se utilizar jornal, papel dobradura, papelão...
Após a brincadeira, pode-se sugerir que os alunos escrevam as palavras. O aluno com dificuldade motora pode levar as letras ou sílabas móveis já impressas, para que outro aluno com necessidades educativas especiais possa “escrevê-las” montando.

Possibilidades de exploração: Atenção auditiva, aumento no vocabulário, noção de tempo e de espaço, coordenação motora, criatividade e socialização




Atividade de Alfabetização

Os Três Porquinhos

Objetivo: Estimular o desenvolvimento do processo de leitura e escrita

Sugestão de uso: Usar o material de forma coletiva ou replicar e distribuir individualmente aos alunos

Como aplicar: Inicia-se a atividade com a contação de história, de forma lúdica( através de fantoches ou livro ampliado). Ao finalizar a história, explorar com os alunos o vocabulário, personagem, ambiente, ideia central e aplicar a atividade





fonte pesquisada: Revista Mundo da Inclusão Nº 1, 2, 30
www.ediminuano.com.br

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Dia Nacional das Apaes

Reporter PB


Deputado Ruy Carneiro registra dia nacional das Apaes

Nesta terça-feira (11) é celebrado o dia nacional das Apaes (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais). A data foi lembrada, na Câmara Federal em Brasília, pelo deputado paraibano Ruy Carneiro (PSDB). Ele destacou a importância do trabalho desenvolvido pelas Apaes em todos os estados do Brasil e ressaltou a dedicação dos pais, amigos, pessoas com deficiência, voluntários, profissionais e instituições parceiras públicas e privadas para promover e defender os direitos de cidadania e a inclusão social dos brasileiros com deficiência.

A primeira Apae na Paraíba foi fundada em 23 de março de 1957 em João Pessoa. No Orçamento Geral da União (OGU) 2013, o deputado federal destinou emenda individual no valor de R$150 mil.

“A data é de celebração, mas também é preciso fazer uma reflexão sobre a ajuda e a participação da sociedade e da classe política como pilares de apoio a essas instituições. Quero dedicar meu esforço, minha voz e o meu mandato parlamentar, em apoio aos direitos das pessoas com deficiência”, disse Ruy que recebeu, em Brasília, no início do mês a delegação paraibana que participou da 3ª Conferência Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência.

O dia 11 de dezembro de 1954, data de fundação da primeira Apae do Brasil, foi consagrado como o Dia Nacional das Apaes, instituído pela lei nº 10.242, de 19 de junho de 2001 de autoria do Presidente da Federação Nacional das Apaes, Eduardo Barbosa.

Com 58 anos de existência, a instituição forma uma rede que reúne a Federação Nacional das Apaes, 23 Federações das Apaes nos estados e 2.033 entidades, em todo o país.

O mês de dezembro é marcado por outras datas que celebram e criam oportunidades de conscientização da sociedade para a luta em defesa dos direitos das pessoas com deficiência. No dia 3 de dezembro, por exemplo, é comemorado o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência e, o dia 5, é o Dia da Acessibilidade e, também, o Dia Internacional do Voluntário, membro essencial no trabalho das organizações do terceiro setor.


quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Datas Comemorativas das Pessoas com Deficiência




Dia do Surdo-Mudo 23/fev

Dia Internacional da Síndrome de Down 21/mar

Dia Nacional do Parkinsoniano 4/abr

Dia Nacional da Luta Antimanicomial 18/mai

Dia Nacional do Teste do Pezinho 6/jun

Dia da Saúde Ocular 10/jul

Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho 27/jul

Dia Nacional da Saúde 5/ago

Semana Nacional do Excepcional 21 a 28 de agosto

Dia do Excepcional 22/ago

Dia Nacional da Divulgação e Conscientização da Fibrose Cística 5/set

Dia Nacional do Cego 17/set

Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência 21/set

Dia Mundial da Saúde Mental 10/out

Dia do Deficiente Físico 11/out

Dia Mundial e Nacional da Osteoporose 20/out

Dia Nacional da Surdez 10/nov

Dia Mundial e Nacional do Diabético 14/nov

Dia Nacional dos Ostomizados 16/nov

Dia Internacional da Pessoa com Deficiência 3/dez

Dia da Criança com Deficiência 9/dez

Dia Nacional das APAES 11/dez

Dia do Cego 13/dez




Fonte: http://www.senado.gov.br/senado/programas/acessibilidade/datas_comemorativas.shtm
OBRIGADO PELA SUA VISITA VOLTE SEMPRE...DESIGN DO BLOG:Leonardo Araújo Guedes-Dom de Educar