Pages

Subscribe:

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Diretrizes Nacionais da Educação Para o Trânsito na Pré-Escola




INTRODUÇÃO




Estas diretrizes são destinadas às crianças em fase pré-escolar que, conforme o Artigo 30, da lei n.9.393/96, Lei de Diretrizes e bases da educação Nacional, têm quatro a seis anos de idade.


Nestas diretrizes, você encontrará fundamentos, princípios e procedimentos ancorados:


I – nas bases legais que orientam:


a) Os sistemas de Ensino da Educação Brasileira;


b) o sistema Nacional de Trânsito;


II – numa dimensão conceitual de trânsito como direito de todas as pessoas e que compreendem aspectos voltados à segurança, à mobilidade humana, à qualidade de vida e ao universo das relações sociais no espaço público;


III – nas propostas pedagógicas das instituições de Educação Infantil, constantes nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a educação Infantil;


IV – numa abordagem que priorize a educação para a paz, a partir de exemplos positivos, capazes de desenvolver esquemas de interação com os outros e com o meio, oferecendo condições para que as crianças aprendam a ser, a estar e a conviver no trânsito;


V – em aprendizagem que favoreçam a aquisição de atitudes seguras no trânsito e reflitam o exercício da ética e da cidadania no espaço público;


VI – no reconhecimento das crianças como cidadãs cujos direitos devem ser preservados e legitimados.


PRINCIPAIS OBJETIVOS


I – considerar as capacidades afetivas, emocionais, sociais e cognitivas de cada criança, garantindo um ambiente saudável e prazeroso à prática de experiências educativas relacionadas ao trânsito;


II – favorecer o desenvolvimento de posturas e atitudes que visem a segurança individual e coletiva para a construção de um espaço público, democrático e equitativo;


III – respeitar as diversidades culturais, os diferentes espaços geográficos e as relações interpessoais que neles ocorrem;


IV – superar a concepção reducionista de que a educação para o trânsito é apenas a preparação para o futuro condutor;


V – criar condições que favoreçam a observação e a exploração do ambiente, a fim de que as crianças percebam-se como agentes transformadores e valorizem atitudes que contribuam para sua preservação;


VI – utilizar diferentes linguagens (artística, corporal, oral e escrita) e brincadeira para desenvolver atividades relacionadas ao trânsito;


VII – proporcionar situações, de forma integrada, que contribuam para o desenvolvimento das capacidades de relação interpessoal, de ser e de estar com os outros e de respeito e segurança no espaço público;


VIII – envolver a família e a comunidade nas ações educativas de trânsito desenvolvidas.



IMPORTANTE: programe ações em sua proposta pedagógica, inserindo as atividades sugeridas, levando em conta as fases de desenvolvimento das crianças, observando-as e respeitando-as em suas diferenças individuais.




ÂMBITO DE FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL



Objetivos: desenvolver a identidade e autonomia das crianças pré-escolares, considerando a pré-escola como espaço para que as crianças estabeleçam relações com outras crianças e com os adultos.


Conteúdos que devem ser abordados: referentes ao nome, a imagem, à independência e autonomia, ao respeito à diversidade, à identidade de gênero, à interação, aos jogos e brincadeiras e aos cuidados pessoais.




1. BRINCADEIRAS E TRÂNSITO

As crianças em fase de pré-escola vivenciam momentos de ampliação do seu universo de informações. Ao terem acesso a fantasias, fantoches, cenários e espaços diferenciados (casinha, cidade, sala de maquiagem, biblioteca, brinquedoteca, etc.) as crianças podem vivenciar atividades simbólicas importantes para interagirem e demonstrarem sentimentos. O tema trânsito pode despertar uma série de brincadeiras interessantes nas quais as crianças podem, inclusive, demonstrar (de maneira simbólica) o comportamento de mães e pais no trânsito.

SUGESTÃO DE ATIVIDADES



 
1.1 Teatros de fantoches



• Você pode dispor de vários fantoches (pai, mãe, irmãos, avó etc.) e de um cenário urbano, por exemplo. As crianças devem escolher seus fantoches e você pode propor algumas cenas tais como: a mãe levar o filho à escola, o pai ir ao cinema com a mãe, o pai e a mãe levarem os filhos para passearem.


• Por meio da observação das crianças durante a reprodução das cenas sugeridas, você poderá perceber e identificar o comportamento da família em determinadas situações no trânsito.


1.2 Brinquedos


• Miniaturas de carrinhos, bicicletas, bonecos e bonecas, posto de gasolina, casinhas, animais etc. atraem as crianças para atividades lúdicas voltadas ao trânsito.


• Após brincarem livremente com esses brinquedos, proponha situações que exijam o cumprimento de determinadas regras, como por exemplo: os carrinhos só podem passar depois que os pedestres atravessarem; os carrinhos só podem estacionar nos lugares permitidos; os pedestres só podem atravessar depois que olhares para os dois lados da rua e não vier carro.


2. CUIDADOS PESSOAIS E TRÂNSITO


A sala de aula é um ambiente especial para encorajar novas habilidades como, por exemplo, alcançar matérias. Entretanto, medidas de segurança devem ser tomadas, a fim de evitar situações de risco. Segurança, portanto, é a palavra-chave para desenvolver atividades de trânsito. Converse com as crianças sobre situações de risco, sobre acidentes que ocorrem.


SUGESTÃO DE ATIVIDADES

2.1 A Sala de Aula

É importante que as crianças compreendam que a sala de aula é um espaço comum a todos e, portanto, precisa ser cuidado por todos. Proporcione momentos que favoreçam a manifestação de opiniões sobre a melhor forma de dispor as carteiras e as cadeiras de modo que tenham espaço para se locomover.


• As mochilas, lancheiras, sacolas e outros objetos jogados no chão atrapalham da mesma forma, a locomoção e podem gerar uma queda. As crianças podem decidir qual o melhor lugar para guardarem esses materiais.

2.2 A Escola

Passear pela escola e pedir para que observem a limpeza dos banheiros, do pátio, do refeitório ou da cantina é uma atividade importante. O lixo encontrado no chão deve ser retirado e jogado nas lixeiras. Converse sobre os danos causados pelo lixo jogado no chão. No caso especifico do trânsito, o lixo jogado nas ruas entope os bueiros, causando enchentes e, conseqüentemente, impedindo o fluxo normal de pessoas e de veículos.


• Sempre que possível associe o espaço da escola à cidade onde vivem. Chame atenção para o fato de que atirar do veículo ou abandonar na via objetos ou substâncias é uma infração e pode resultar em multa (Artigo 172 do Código de Trânsito Brasileiro).

2.3 Ir Junto

As crianças utilizam diferentes meios de locomoção para chegar à escola: automóvel, ônibus, bicicleta, condução escolar, etc. Será que tomam os cuidados necessários à sua segurança quando estão no interior desses veículos? E quem vem para a escola a pé? Quais os cuidados que devem ser tomados? Esse assunto pode ser explorado ao máximo, pois faz parte do cotidiano das crianças.


• Converse com as crianças sobre a importância do uso do cinto de segurança de veículos, mesmo no banco traseiro; explique que somente crianças com mais de dez anos pode sentar no banco da frente. Crinaças devem ser conduzidas em cadeirinhas (até os 4 anos) e sem assento de elevação (dos 4 aos 7 anos). Nas conduções escolares o cinto também deve ser usado.


• Questione aos que vem a pé sobre os cuidados que os pedestres precisam tomar ao transitar nas vias públicas: não se soltar dos adultos, andar longe do meio fio, atravessar na faixa, olhar sempre para os dois lados.


ÂMBITO DE CONHECIMENTO DE MUNDO


Objetivos: relacionados à construção de diferentes linguagens e as relações estabelecidas com os objetos de conhecimento, proporcionando à criança sua interação com o meio, seu interesse pela cultura e por novos conhecimentos, enriquecendo suas condições de inserção na sociedade.



MOVIMENTO E TRÂNSITO


O ambiente pré-escolar deve promover brincadeiras capazes de ampliar habilidades no plano motor. Empinar pipas, jogar bolinhas de gude, pular amarelinha, dançar, jogar bola entre outras atividades precisam ser promovidas com a finalidade de favorecer conquistas na área motora e precisão de movimentos.

SUGESTÃO DE ATIVIDADES


1.1 Recortes, colagem e pintura

Peça as crianças que procurem figuras de meios de locomoção em revistas, livros e jornais para produzirem um painel.


• Através das figuras pergunte quem já andou de carro, ônibus, avião, barco etc.;


• Separe em revistas e jornais, imagens associadas ao trânsito e contorná-las com figuras geométricas para montar um painel.


• Faça com as crianças pinturas com carvão, tinta guache, desenhando elementos relacionados ao trânsito, deixando as crianças se expressarem por meio de seus próprios desenhos.

1.2 Cidade no Pátio

Construa uma pequena cidade no pátio. Pinte no chão uma faixa para a travessia de pedestres e coloque um semáforo (com caixa de papelão, cx de leite/cabo de vassoura). Deixe as crianças brincarem de atravessar a faixa, conforme a luz do semáforo.


• Disponibilize diversos materiais (papéis; giz, caixa de papelão, pedrinhas etc.) e deixe as crianças reproduzirem a cidade de acordo com sua visão.

1.3 Carros, trens, barcos e outros meios de locomoção

Proponha as crianças a confecção de carinhos, caminhões e outros meios de locomoção, utilizando cartolina ou papelão. Converse durante a brincadeira sobre questões de segurança e sobre a importância do convívio social no trânsito, baseado na cooperação e no respeito mútuo.


• Uma fila de crianças pode virar um trem. Peça que as crianças não soltem o ombro do colega, tracem um percurso e converse sobre a diferença entre veículos ferroviários e rodoviários.


• Proponha dobraduras de papel como a de um barquinho simples. Depois coloque uma bacia grande com água e peça que as crianças coloquem o barquinho para flutuar. Fale com eles sobre as hidrovias usadas para os transportes e as comunicações (rios, mares e lagos).


MUSICA E TRÂNSITO



Os jogos e brinquedos musicais da cultura infantil incluem os acalantos (cantigas de ninar); as parlendas (os brincos, as mnemônicas e as parlendas propriamente ditas); as cantigas de roda; as advinhas etc. os jogos sonoro-musicais favorecem, da mesma forma, a vivência dos sons, o silêncio e a música. Na área de educação para o trânsito podem ser encontradas algumas canções, geralmente paródias, compostas com a finalidade de transmitir regras de trânsito.


SUGESTÕES DE ATIVIDADES



2.1 Diferentes sons

O apito do trem, o apito do navio, o ronco do avião, a buzina do automóvel, o apito do agente de trânsito são alguns exemplos de características sonoras possíveis de serem transformadas em um jogo sonoro-musical. Peça que as crianças identifiquem ou reproduzam esses sons.

2.2 Os sons do agente de trânsito

• Quando precisam emitir uma mensagem, os agentes utilizam o apito, as diferentes maneiras de apitar transmitem diferentes mensagens:


Um silvo breve: siga!


Dois silvos breves: pare!


Um silvo longo: diminua a marcha!


• Crie uma brincadeira a partir dos sons emitidos pelos agentes de trânsito utilizando apitos de plásticos.


• Explore ainda as diferentes características geradas pelo silêncio e pelo som: altura (grave e agudo); duração (curtos e longos), intensidade (fracos e fortes), associando ao trânsito.

2.3 Cantar

Além de cantar proponha a elaboração de desenhos sobre elas. Peça que as crianças reproduzam o apito do trem, o mugido do boi, o relinchar do cavalo. Explique onde ficam os lugares citados nas canções (Pernambuco, Rio de Janeiro, Belém do Pará). Converse sobre o trabalho do maquinista do trem, do barqueiro, do vaquejador.

 
3. ARTE E TRÂNSITO



Livros de artes, revistas, visitas à exposições e museus, filmes, peças de teatro, contato com artista por meio de suas obras são atividades para suscitar nas crianças o interesse e o gosto pela arte. Muitas obras artísticas podem ser relacionadas ao trânsito.


SUGESTÃO DE ATIVIDADES


3.1 Comparando ontem e hoje

• Mostre as crianças obras que retratem o Brasil do século XIX


• Procure figuras que retratem o transitar das pessoas nos dias atuais e incentive a discrição oral sobre as diferenças entre elas

3.2 Museus de arte no trânsito

• Apresente obras de arte de artistas brasileiros que remetem ao tema trânsito


• Incentive as crianças a pintar suas obras de arte, retratando o transitar das pessoas, utilizando materiais simples como papel pardo e tinta guache colorida. Programe com as crianças a inauguração do museu com a presença de mães e pais, da comunidade, dos alunos das outras turmas, dos professores e de funcionários não docentes da escola. Mude o acervo ou acrescente sempre que possível novas obras criadas pelos alunos.

 
4. LINGUAGEM ORAL E ESCRITA E TRÂNSITO



Contar vivências, manifestar idéias, ouvir as outras pessoas, elaborar e responder perguntas, manifestar interesse pela leitura e pela escrita, escolher livros para ler são algumas das capacidades que devem ser incentivadas para o desenvolvimento das linguagens oral e escrita das crianças.


SUGESTÕES DE ATIVIDADES

4.1 Contar histórias

• É importante que você conheça o conteúdo da história que vai contar, as relações entre as personagens, as inverdades que pode conter, os preconceitos. É importante ainda colocar ritmo e entonação para motivar a atenção e despertar a admiração i interesse das crianças pela história.


• Proponha ao final de uma história atividades que incentive o desenho, a música, a brincadeira, o teatro e, por que não, o (re) contar histórias, onde as crianças podem reproduzir a história ouvida ou contar outra para os colegas.


• Aborde o tema trânsito nas histórias diretamente ou associando de acordo com o enredo.


4.2 Seqüência lógica


• Comece a contar uma pequena história, como por exemplo> Maria adorava andar a pé pelo bairro onde mora. As ruas são bem tranqüilas e estreitas. Elas não são asfaltadas. São cobertas por pedras que se chamam paralelepípedo. Então, quando um carro passa, faz mais barulho porque não está rodando no asfalto lisinho. Um dia Maria estava caminhando, quando ouviu um barulho muito forte. Ela levou um susto quando viu...


Então peça que uma criança continue a história do ponto em que parou. Cada criança deve ter, aproximadamente, trinta segundos para contar sua parte. É importante limitar o tempo para que todas possam falar dando continuidade a história. Os resultados são sempre surpreendentes.


4.3 Histórias com figuras


• Selecione figuras (de jornais, revistas) com uma imagem que remeta ao tema trânsito: bicicleta, motocicleta, caminhão, carroça, barco, estrada, pedestres etc. Colem-as separadamente em uma cartolina ou papel cartão.


• Escolha junto com a turma, uma criança para ser a narradora e uma para ser a apresentadora. A partir daí, a apresentadora mostrará a primeira figura à narradora que deverá iniciar a história que contenha o nome do objeto mostrado. A apresentadora continuará mostrando as imagens no decorres da narrativa e a contadora deverá incluí-las rapidamente em seu enredo.


4.4 Jogos verbais


Alguns jogos podem ser criados para desenvolver ações educativas sobre o trânsito tais como:


Advinhas


• Quem é, quem é que anda a pé? (o pedestre)


• Quem é, quem é que pedala uma bicicleta? (o ciclista)


• Quando estamos em pé ele está deitado, se estamos deitados ele está de pé? (o pé)


• O que é, o que é: tem pé redondo, anda, anda e só faz dois rastros compridos? (o carro)


Trava-língua


• Disseram que na minha rua tem paralelepípedos feitos de paralelogramos.


Seis paralelogramos tem um paralelepípedo.


Mil paralelepípedos tem uma paralelepípedovia


Uma paralelepípedovia tem mil paralelogramos


Então uma paralelepípedovia é uma paralelogramolândia.


Converse sobre as crianças sobre a pavimentação da rua onde moram: a rua é asfaltada? Tem paralelepípedos? É de terra? Etc.




5. NATUREZA E SOCIEDADE E TRÂNSITO



Para trabalhar com esse eixo, programe situações que favoreçam a compreensão dos diferentes modos de vida das pessoas, assim como dos diferentes lugares e paisagens. Seres vivos e fenômenos da natureza também podem ser abordados.


SUGESTÃO DE ATIVIDADES


5.1 Diferentes paisagens, diferentes lugares, diferentes modos de vida

• Apresente as crianças imagens, vídeos, figuras de revistas e jornais que apresentem diferentes paisagens. Incentive a troca de idéias e de opiniões por meio de questionamentos: onde fica esse lugar? Quem está dentro desse barco (ou desse carro, avião etc.)? o que esta pessoa vai fazer? Onde ela mora?


• Trabalhe com questões do ir e vir das pessoas e as diferenças existentes entre a vida delas e de seus alunos.


• Divida a turma em grupo e proponha um trabalho coletivo como a montagem de um painel com recortes de figuras com elementos pertinentes ao espaço urbano e outro rural (meios de locomoção)


5.2 Experiências (conhecimento científico)


• Desenvolva experiências relacionadas ao trânsito, utilizando folha de papel alumínio para construir barcos e colocá-los em recipiente com água para dar noção de densidade e empuxo.


• Utilizando bolinhas, carrinhos, pêndulos é possível simular choques e colisões, dando a idéia de movimento e impulso.


• Pode ser realizada uma experiência com um carrinho (montado com blocos) e um boneco sentado. Ao movimentar o carrinho contra outro objeto, o boneco será arremessado. No entanto se o boneco estiver preso ao carrinho com um elástico, não acontecerá o mesmo. Converse sobre a importância do cinto de segurança.

 
6. MATEMÁTICA E TRÂNSITO



Conteúdos a serem trabalhados nesse eixo: números, sistema de numeração, contagem, notação e escrita numérica, operações, grandezas e medidas, espaço e forma. O trabalho com trânsito pode envolver a identificação de pontos de referência para que as crianças se situem e se desloquem no espaço. Você pode ainda desenvolver atividades relacionas à descrição e à representação de pequenos percursos e trajetos, considerando pontos de referência.


SUGESTÕES DE ATIVIDADES


5.1 Passeios

• Cada passeio programado na escola poderá prever ações relacionadas ao trânsito: como comportar-se no interior do veículo, ao descer da condução formar fila; não correr para a rua, etc.


• Na volta do passeio traçar o trajeto realizado em rolo de papel pardo. Perguntar o que viram no caminho, se passaram por ruas largas ou estreitas, quais os pontos de referência observados.




6.2 Tangram



• O tangram é um quebra-cabeça de origem chinesa. Com ele as crianças podem montar uma infinidade de figuras. Faça o tangram recortando um quadrado de cartolina com 15 cm de lado, marcar as linhas e recortar as diferentes peças. Quando tiver a sete peças chamadas tans, proponha combinações para criar figuras, as sete peças precisam ser usadas para compor a figura.


• As crianças podem montar barquinhos, pessoas, casas, navios etc.


6.3 Do menor para o maior


• Proporcione situações que levem as crianças à construção de todas as relações possíveis entre os objetos: agrupá-los por semelhanças, fazer classificações simples e em série, comparar tamanhos: maior, menor, igual etc.


• O § 2º, do inciso XII, do Artigo 29, do Código de Trânsito Brasileiro dispõe as normas de circulação e conduta estabelecida neste artigo, em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados.


• Peça que as crianças coloquem os brinquedos ou figuras em ordem decrescente, converse sobre a importância do respeito ao pedestre.






fonte: Diretrizes Nacionais Da Educação Para o Trânsito Na Pré-Escola, aprovadas pela portaria n. 147/2009 do Denatram www.denatran.gov.br

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

FOLCLORE

CULTURA POPULAR INFANTIL 

As cantigas de roda permitem à criança:

  • O estado intermediário entre a ilusão e a realidade.

  • Permite o divertimento, a improvisação, estimula a criatividade verbal

  • Reforça  a autoestima por ouvir seu nome cantado no grupo

  • Reflete questionamentos infantis, seus sentimentos, seus medos e suas dúvidas


Coreografia: São escolhidas duas crianças para representarem o cravo e a rosa, que vão dramatizando o que os versos da cantiga propõe.

Coreografia: A roda gira na 1ª e 2ª estrofes; na 3ª estrofe, a criança cujo nome é citado toma o centro da roda e diz uma quadrinha.


 

Coreografia: colocar as crianças em fila que se move como um batalhão, com postura marcial seguindo o ritmo da macha.


c
Coreografia: Formada a roda, uma criança deve ficar no centro e na 2ª estrofe, dramatizará Pai Francisco que é cantado pela roda que para de girar e canta batendo palmas no ritmo da cantiga

Coreografia: A letra lembra conto de fadas e tanto meninas quanto meninos devem representar os personagens da canção.


Coreografia: formada a roda, uma das crianças ocupa o centro; a roda gira normalmente com todas as crianças cantando até a 4ª estrofe, que é cantada pela criança do centro escolhendo seu par, que será o sucessor




Coreografia: formada a roda são escolhidas 3 crianças que serão  os 3 cachorros que, na 2ª estrofe elegerão seus substitutos e, frente a frente com as mãos dadas, ou com ambas na cintura pula, alternando os pés. Enquanto os demais da roda batem palmas e cantam.
Coreografia: Formada uma roda, as crianças permanecem paradas, podendo ficar sentadas, com um objeto igual para todos, na mão direita. Ao ritmo da música marcando os tempos fortes, iniciam a brincadeira de passar o objeto que tem na mão direita para o vizinho da direita e receber com a mão esquerda o objeto do vizinho da esquerda, trocando rapidamente de mão.


Coreografia: Formada a roda inicia-se a canção com todas as crianças voltadas para o centro. Quando a cantiga dita o nome de cada criança na 1ª parte, esta deve virar-se de costa para o centro. Quando tiver sido chamada todas as crianças começa a 2ª estrofe que será cantada citando novamente o nome das crianças que vão voltando a posição inicial.


PARLENDAS

Fazem parte das manifestações orais da cultura popular. São conjuntos de palavras com arrumação rítmica em forma de versos curtos, ritmo fácil que pode rimar ou não. São ainda canções infantis de pequenos versos, palavras ou expressões muito utilizada em brincadeiras de roda, jogo ou movimento corporal.

Objetivos:

  • Valorizar a cultura polular

  • Desenvolver a oralidade

  • Valorizar a leitura como fonte de prazer







fonte: Cantigas de Roda, Formação Continuada das creches Estaduais/Parlendas da Charalina, Nelson Albissú/Brinque-Book,Canta e Dança, Suzana Sanson e Graça Lima



quinta-feira, 22 de julho de 2010

HISTÓRIA: O PINCEL E AS TINTAS


Adaptei  recriando de acordo com a realidade dos meus alunos a história "O Pincel e as Tintas" , escrita originalmente por Maria Hilda de J. Alão,. Criei ainda fantoches de papel com os personagens da historinha: um pincel curioso e vários potinhos de tintas.



O PINCEL E AS TINTAS

Sobre uma mesa havia uma caixa com vários potinhos de tinta, todos com rendinha colorida em volta da tampa, uma tela em branco e, do lado de fora da caixa, um pincel curioso. Ele fazia força para se levantar, queria ver o que tinha dentro daquela caixa. Conseguiu ficar em pé.



- Ufa! – exclamou, agarrando-se à borda da caixa.


Os vidrinhos de tinta ficaram alvoroçados com a presença do pincel.


- Oi, pessoal! – cumprimentou o pincel – Gostei de vocês. Podemos brincar de pintar? – perguntou.


- Pintar o quê? – perguntou o vidro de tinta vermelha.


- Podemos pintar tudo. Estamos juntos, pincel, tinta e tela.


- Já sei! Vamos pintar uma flor – disse a tinta amarela.


- Legal, legal, legal... – responderam os outros vidros de tinta.


E começaram o trabalho.



 

( neste momento contei com a ajuda de Tia Flávia que foi ilustrando a história com o pincel curioso )

O pincel fazia o desenho, as tintas diziam se estava bom ou não. Finalmente ficou pronto. Era uma flor linda. A tinta azul, olhando o desenho, teve uma idéia:



- Já que temos uma flor, por que não colocamos folhas. Assim teremos uma flor completa. Vocês concordam?


- Plenamente... plenameeente. – responderam os outros vidros de tinta.


E o pincel começou seu trabalho de desenhar folhas para aquela flor.
 
 


Depois de algumas horas, com o trabalho quase pronto, os vidros começaram a dar sugestões para embelezar o quadro.



- Desenhe gramas embaixo dela, puxando mais para a direita. – disse um dos vidros de tinta.


- Que tal um arco-íris à esquerda e, um pássaro. – sugeriu o outro vidro.


E o pincel desenhava tudo que lhe era sugerido. Terminou.


- Vai ficar lindo. – disse a tinta branca. Acho que será a flor mais linda já pintada por um pincel. Havia chegado a hora de pintar o desenho. As tintas se acomodaram, dentro da caixa, e foi um tal de tirar a tampa, pedir atenção para não borrar a rendinha, não sujar a caixa e nem a mesa.
 
 

. E começou o processo de pintura do quadro.



- Cor das pétalas. - pediu o pincel.

- Amarela. – responderam as tintas.





Pinceladas de tinta amarela foram distribuídas com arte para pintar as pétalas da flor.




Depois o pincel conseguiu começar a pintar o arco-íris de vermelho,





 laranja, amarelo



verde,



azul, anil e violeta



O pássaro deve ser pintado de branco à cor da paz,





as folhas com detalhes em verde, a cor da esperança – disse a tinta branca. É verdade – disse a tinta preta -, o branco junto com o verde, representará a paz unida à esperança.



A tinta verde ficou muito feliz com a idéia.
 

E o pincel pintou o pássaro de branco e as folhas em detalhes verdes.


O trabalho estava quase terminado quando a tinta verde chamou a atenção de todos para um fato.



- E o céu? Não será pintado?


- É meeesmo! Quase que esquecemos o céu. – exclamaram todos.


- Eu sugiro que seja azul. – disse o pincel.


- De acordo. – responderam todos os vidros de tinta.


E o céu foi pintado com todos os detalhes, ressaltando a pureza, a inocência e a verdade que toda criança tem dentro dela e que se refletem no espelho do céu.



Finalmente estava terminado o quadro. O pincel estava orgulhoso. Seu trabalho, com a ajuda das tintas, estava perfeito.



- Então, gostaram? – perguntou o pincel para as tintas que acabavam de arrumar suas tampinhas se fechando para que não ficassem secas.


Os vidros, inclinando-se na borda da caixa, olharam para a tela e, todos juntos, exclamaram:


- Pinceeeel, você pintou a obra de Jesus! Maravilhaaa! Agora só falta às crianças cuidarem dessa obra...


E os vidros aplaudiram a obra e o pintor.


- Plá, plá, plá, plá, plá... Bravoooo!






Bom gente, essa foi a galerinha que me ajudou a construir a história, os verdadeiros artistas.




Ah! E essa claro sou "Eu", finalmente apareci.



E essa é Tia Flávia




TCHAUUUUU...E ATÉ O PRÓXIMO ENCONTRO!!!







Acesse o site: http://usinadeletras.com.br nele você encontrará a história acima original, além de diversas outras historinhas, contos, parlendas...


BEIJÃO!!!








OBRIGADO PELA SUA VISITA VOLTE SEMPRE...DESIGN DO BLOG:Leonardo Araújo Guedes-Dom de Educar