Pages

Subscribe:

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Folclore: Lendas,Mitos, Representações folclóricas, provérbios, superstições

Folclore
No dia 22 de agosto o Brasil comemora o dia do folclore, essa data foi criada em 1965, através de um Decreto Federal. O termo surgiu de dois vocábulos, "Folk" que em inglês significa Povo e, "Lore" que significa conhecimento. Assim Folk + Lore = Folklore que quer dizer conhecimento popular. No Brasil após a reforma ortográfica de 1934, que eliminou a letra k, a palavra tornou-se "Folclore". Nosso Folclore é considerado riquíssimo e nele as lendas, contos, histórias, provérbios, ditos populares, mitos, cantigas, superstições e danças são transmitidos oralmente de pais para filhos, perpetuando os costumes da nossa cultura.
MITOS E LENDAS
As LENDAS são histórias transmitidas oralmente através dos tempos, que misturam fatos reais com acontecimentos que são frutos da fantasia. Elas procuram dar explicações as ocorrências misteriosas ou sobrenaturais.
Já os MITOS são narrativas com um forte componente simbólico. Como os povos da antiguidade não conseguiam justificar os fenômenos da natureza com explicações científicas, criavam mitos com este objetivo: dar sentido as coisas. Eles também eram uma forma de transmitir conhecimentos e alertas as pessoas sobre os perigos ou os defeitos e as qualidades dos ser humano. Deuses, heróis e personagens sobrenaturais se misturam com fatos da realidade para esplicar a relação da vida com o mundo.
REPRESENTAÇÕES FOLCLÓRICAS
BOITATÁ: É uma cobra de fogo que protege as matas e os animais e tem a capacidade de perseguir aqueles que desrespeitam a natureza. Acredita-se queeste mito seja de origem indígena e que seja um dos primeiros do folclore brasileiro. Na região Nordeste é conhecido como "fogo que corre".
BOTO: Acredita-se que a lenda do Boto tenha surgido na região Amazônica. Ele é representado por um homem jovem e bonito que encanta as mulheres em baile e festas. Após a conquista, leva-as para margem de um rio e as engravida. Antes de a madrugada chegar, ele mergulha nas águas do rio para transformar-se em Boto.
CUCA: É certamente, o mais difundido mito do ciclo do medo infantil. Não tem características físicas definidas, mas sabe-se que leva as crianças insones ara um sítio distante, onde elas são devoradas ou fazem parte de algum ritual de magia.
IARA: Rainha das águas, ela é metade mulher, metade peixe. Se destaca por ser uma indía muito bonita, que enfeitiça os homens entoando canções mágicas e atraindo-os para a profundeza dos rios, dos lagos ou do mar, onde se afogam.
SACI-PERERÊ: É um negrinho que só tem uma perna. Ágil, astuto, atrevido e traquinha, gosta de fumar cachimbo, tem as mãos furadas e usa uma carapuça vermelha que tem poderes mágicos e que lhe cobre a carapinha. À noite, ele assobia e inquieta as pessoas, criando-lhes dificuldades, queimando os alimentos e assustando os viajantes.
VITÓRIA-RÉGIA: Há muito tempo, entre os habitantes de uma tribo indígena, contava-se que a lua era um Deus que namorava as mais belas jovens da aldeia. Uma jovem guerreira da tribo, a Naiá, vivia sonhando com um encontro com ele, memsmo sabendo que, depois as moças perdiam seu sangue e sua carne e viravam as estrelas do céu. Um dia tendo parado pra descansar à beira de um lago, viu em sua superfície a imagem do Deus amado refletida nas águas. Cega de paixão, lançou-se ao fundo e se afogou. Mas a lua, que também é senhora das águas, compadeceu-se dela e a transformou em uma flor, chamada Vitória-Régia.
PARLENDAS
São brincadeiras com palavras que dão origem a versos infantis rimados, criados com as mais diferentes finalidades, dentre elas divertir e entreter as crianças. Além disso, permitem a construção da escrita espontânea à convencional.
PROVÉRBIOS
São sentenças de caráter prático e popular, expressas de forma sucinta. Conheça algumas delas:
- A justiça tarda, mas não falha.
- A pressa é inimiga da perfeição.
- A união faz a força.
- Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.
- Águas passadas não movem moinhos.
- Antes tarde do que nunca.
- Antes só do que mal acompanhado.
- As aparências enganam.
- Cada cabeça uma sentença.
- Devagar se vai ao longe
Se cair do chão não passa.
SUPERSTIÇÕES
São crenças tradicionais para as quais não há explicação lógica. Elas se baseiam na convicção de que certos atos, palavras, números ou objetos, trazem males, benefícios, sorte ou azar. Algumas delas são:
Pé direito: devemos sair e entrar em qualquer lugar sempre com o pé direito, para evitar azar.
Borboleta: ver uma borboleta voar dar sorte para o dia.
Gato preto: Na idade média acreditava-se que os gatos eram bruxas transformadas em animais, por isso, a tradição diz que cruzar com o gato preto é azar na certa.
Escada: nunca devemos passar debaixo de uma escada, é mau sinal na certa.
Vassoura: para dispensar uma visita chata. É só deixar uma vassoura de cabeça para baixo atrás da porta.
Estrela cadente: viu uma estrelacadente faça um pedido, porque é garantido que ele vai se realizar.
Orelha quente: se sua orelha esqueda esquentar de repente,é porque alguém está falando mal de você.
Espelho quebrado: quebrou um espelho? Então fique atento: serão sete anos de má sorte.
fonte: revista Projetos Escolares n° 15

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Folclore; Ônibus, Boi-Bumbá,Vitória-Régia,Mula sem cabeça, Lobisomem...

ÔNIBUS DO FOLCLORE




1. Coloque a caixa de sapatos sobre a mesa com a abertura virada pra cima. A partir das laterais de um dos lados maiores, meça 6,5 e faça um risco vertical de 8 cm. Depois dê um espaço de 4 cm e faça outro traço vertical, de mesmo comprimento. A partir dessa marcação, deixe um espaço de 3 cm e faça outro risco, para marcar o entremeio entre janelas.Repita o mesmo procedimento, desenhando mais 2 janelas. Com a tesoura, recorte as marcações das três janelas. Então faça o mesmo procedimento do outro lado da caixa.

2. Com tinta guache ou plástica azul, pinte a caixa e a tampa.

3. Pra fazer o pára-choque, corte 2 retângulos de 15 x 25 cm cada no papel dupla-face verde e arredonde as 4 pontas com o auxílio da tesoura. Para as rodas do ônibus, corte 4 círculos de 7 cm de diâmetro cada no papel preto. Corte mais 4 circunferências, com 3 cm de diâmetro cada, no papel dupla-face amarelo, para formar as calotas. Cole cada circunferência menor nos centros dos círculos maiores.


4. Meça aproximadamente 5 cm a partir de cada uma das quinas das laterais maiores da caixa e cole, em cada marcação, uma roda. Fixe horizontalmente os pára0-choques na base das laterais menores.

5. Para o pára-brisa do ônibus, pinte, com tinta branca, um retângulo de 6 cm de altura em uma das laterais menores da caixa e avance mais 3,5 cm para cada uma das laterais maiores.

6. meça e corte 2 tiras de sulfite de 4,5 x 32 cm cada e cole somente aparte inferior delas dentro da caixa, uma em cada lateral maior inferior.

7. Recorte ilustrações ou desenhos feito pelas crianças e encaixe em cada janela do ônibus. Fixe os entremeios com cola branca. Por fim, tampe a caixa.


BOI-BUMBÁ




1. Corte uma das bases da caixa de leite de forma que ela fique com 8 cm de altura. Meça verticalmente, a partir da base de uma das laterais menores, 5,5 cm e corte os vincos até este ponto. Repita esse procedimento do outro lado. Dobre as abas que se formarem para dentro, vinque-as e abra novamente.

2. Refire a parte superior da outra caixa de leite. A partir dessa abertura meça verticalmente, em cada lateral menor 9,5 cm e corte até este ponto somente os vincos.

3. Marque o centro dessa mesma caixa. Então desenhe um trapézio com 2 cm de altura, 8 cm de largura na base maior e 6 cm na menor. Arredonde as laterais e corte-o.

4. Meça 1 cm acima e abaixo das bases, dessa figura e faça dois riscos.

5. Coloque a cx menor na horizontal. Encaixe pelas aberturas, a que está reservada na primeira, de forma que a sua base fique encostada na parte de cima (onde está o trapézio).

6. Pinte as caixas com tinta marrom. levante as linguetas da cx menor que será a cabeça do Boi-Bumbá, e pinte-as de branco, formando os chifres. Para os olhos recorte 2 círculos de 2,5 cm diâmetro cada na cartolina branca. Com canetinha azul faça uma meia-lua em cada uma das esferas e pinte-as. Para as narinas, recorte 2 círculos de 1,5 cm de diâmetro cada. Coloque a cx maior (focinho) apoiada sobre a mesa. Cole no meio do vinco frontal superior as narinas e,logo acima delas os olhos.

7. Para formar as orelhas, meça e corte na E.V.A marromo, um retângulo de 7 x 5 cm, deixando suas pontas inferiores arredondadas. Cole nas laterais da cx menor, abaixo dos chifres.

8. Meça e recorte um retângulo de TNT vermelho de 25 x 58 cm e outro, no TNT amarelo, de 20 x 30 cm. Enfeite com florezinhas nas laterais maiores com tinta metálica dourada.

9. Cole, com cola quente, na caixa que formou o corpo do Boi-Bumbá, os retalhos. O TNT amarelo deverá ficar na parte inferior e na frente e, o vermelho, na parte de trás, de forma que cubra ambas as laterais da caixa.




VITÓRIA-RÉGIA INDIAZINHA





1. Risque no papel Paraná, um retângulo de 16 x 45 cm. Em seguida, rente a uma das laterais menores dessa figura, faça uma circunferência de 15,5 cm de diâmetro. Meça, verticalmente, 8 cm da lateral oposta à circunferência e faça, a partir deste ponto, um risco horizontal de 25 cm em diração ao círculo. Risque e corte 2 retângulos de 23 x 2,5 cm cada para fazer os dois braços.
2. Recorte o retângulo com a circunferência e faça um corte na linha central feita anteriormente formando as pernas. Com canetinha desenhe os olhos, a boca e o nariz dentro da circunferência.
3. Faça um vinco horizontal, logo depois da abeetura das pernas. Marque o centro de cada perna e vinque-as formando os joelhos. Na parte inferior, marque verticalmente 2 cm a partir da base e vinque a área, dando origem aos pés.
4. Segure os retângulos referentes aos braços na horizontal. Vinque 2 cm da lateral esqueda de cada um deles. Na lateral direita, faça um outro vinco, na diagonal, cuja base meça 6 cm.
5. Para o cabelo, meça e corte um retângulo de papel crepom de 40 x 50 cm. Envolva-o na cabeça, deixando 4 cm de franja. O restante deve ser colado atrás da cabeça.
6. Em ambas as laterais do cabelo faça um corte vertical.
7. Para a saia, faça, com tinta vermelha, um risco horizontal a 8 cm de marcação das pernas. A partir dele desenhe várias linhas verticais com tiintas vermelhas, verdes e amarela.
8. Cole os bracinhos, deixando as marcações diagonais para trás. Nas pontas dobradas, faça um leve sombreado com o lápis marrom, para demarcar as mãos.
9. Para sustentar o corpo, recorte uma tira de 6 x 35 cm de papel Paraná e fixe uma de suas pontas verticalmente no centro das costas da indiazinha. Cole a personagem centralizada e sentada, dentro da tampa de pizza redonda.



FLOR DA VITÓRIA-RÉGIA




1. Com a tesoura faça vários picotes verticais e paralelos em uma das extremidades do rolinho de papel. repita o mesmo procedimento do lado oposto, com cuidado para as franjas não se encontrarem.
2. Meça e recorte uma tira de papel crepom rosa de 12 x 40 cm. Dobre-a três vezes ao meio e, com a tesoura, faça várias ondas em uma das suas laterais maiores. Depois desdobre o material.
3. Coloque uma das laterais picotadas do rolinho para dentro e, em seguida, cole a base reta do papel crepom em toda a sua volta, formando algumas pregas. Ajeite essas dpbras com as mãos.


MULA SEM CABEÇA

1. Encape a cx de fósforo com o papel-espelho preto
2. Cole um pedaço de papel-espelho preto na tampinha transparente
3. Recorte pedaços de EVA para fazer as patas da mula
4. Pinte os palitos de sorvete com guache laranja e cole o EVA recortado nas extremidades
5. Com cola quente, cole tampinha, deixando a abertura para cima, na caixa de fósforo encapada.
6. Fixe as patas ao corpo da mula.
7. Coloque o celofone na cabeça da mula para fazer o fogo. Cole um pedacinho de corda para fazer o rabo.





LOBISOMEM




1. Vire a meia ao avesso e coloque um pouco de enchimento para a cabeça.
2. Recorte o bico da garrafa pet e coloque-o dentro da meia para fazer o focinho do lobisomem. Feche a abertura da meia dando um forte nó com a linha de bordar.
3. Coloque mais enchimento na meia e encaixe um palito de churrasco para dar sustentação ao corpo.
4. Recorte as peças das mãos, pernas, olhos, orelhas, boca, nariz em feltro.
5. Com uma agulha, passe a linha de bordar preta próxima ao focinho do boneco para fazer os bigodes.
6. Com cola quente, cole as orelhinhas no topo da cabeça e as outras peças para compor o rosto. Cole também os bracinhos do Lobisomem.
7. Recortea roupa, em um retalho de tecido jeans e costure com alinhavos à mão. Cole os pés nas barras da calça e vista o personagem.
8. Costure as alças da roupinha e arremate botões coloridos.





fonte: Reciclagem Atividades Escolares especial / Projetos Escolares Educação Infantil n° 15 e n° 52




terça-feira, 4 de agosto de 2009

Projeto Folclore (capas, dedoches,álbum)


Objetivo: Desenvover a expressão oral, a coordenação motora fina e grossa, a percepção auditiva e visual da criança por meio de poesias, músicas...

Capas

Saci



Iara




Curupira


Poesia



Dedoches








Música




Álbum






acrescente ao álbum: comidas típicas, festas e danças.

Lembranças do folclore






Máscaras




fonte: Dente de Leite Projetos Pedagógicos Para Educação Infantil, vol 4

Sugestões Dia dos Pais











Cartão-Celular


Porta-Canetas e caneta


Passo-a-passo
1. Cubra um rolo de papel higiênico com barbante.
2. Cole um pedaço de cartolina em uma das aberturas do rolo, recorte as sobras.
3. Cole uma das pontas do barbante próxima a ponta da caneta, enrole este fio até chegar ao fim da caneta e fixe a outra ponta com cola.
4. Para decorar a caneta e o porta-lapis, entregue tinta guache e peça para os alunos molhar o dedo indicador nas tintas e imprimi-lo várias vezes em todo o objeto.


fonte: projetos Escolares Educação Infantil nº 15/Dente de Leite Projetos Pedagógicos Para a Educação Infantil vol 4

OBRIGADO PELA SUA VISITA VOLTE SEMPRE...DESIGN DO BLOG:Leonardo Araújo Guedes-Dom de Educar